11 Estratégias de conteúdo para sua marca sobreviver ao lockdown

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Como o Lockdown mudou o mercado? Este ano, vimos essas 11 tendências surgirem em meio a esta pandemia. Fique por dentro do que vem acontecendo nas plataformas de conteúdo de vídeo, social e de marca, nos últimos meses.

Com menos tráfego nas lojas e sem eventos para realizar, o conteúdo digital tornou-se a melhor maneira de as marcas alcançarem e se conectarem com seu público. E, no entanto, apesar dos desafios, nossos colegas construtores de marca têm conseguido bons resultados!

As dificuldades e limitações quase sempre nos fazem usar da criatividade, e como todas as marcas têm experimentado essas mesmas limitações, algumas estratégias se destacam dentro das plataformas de conteúdo.  

1 – Vídeos mais longos para conteúdo comercial

Os vídeos de formato curto ou longo têm objetivos e benefícios muito diferentes, portanto, o conteúdo deve ser direcionado para cada objetivo de forma personalizada.

Para canais como TikTok e Instagram, conteúdo mais curto é o mais adequado, mas esse não é necessariamente o caso do YouTube. Em um estudo recente, o YouTube relatou que tópicos como exercícios em casa, meditação, passeios em museus e, claro, “como fazer massa fermentada” estavam nas principais pesquisas durante o lockdown, mostrando um desejo por conteúdo de vídeo mais longo e detalhado.

O conteúdo de formato mais longo tem o benefício de permitir que a narrativa respire e se desenvolva – você pode adicionar riqueza a uma história e tecer as mensagens principais de uma forma mais autêntica. Em última análise, isso leva a engajamentos de marca mais significativos, que é o que realmente importa.

No momento, as marcas querem criar uma conexão poderosa e positiva com seu consumidor, o que pode ser feito com conteúdo de vídeo baseado em histórias.

2 – Comédia e entretenimento

“Ao fazer um anúncio para a TV, você é convidado a entrar na casa das pessoas. Chegue com bom humor e tente ser um convidado divertido.”

– Ross Macdonald

Devido ao lockdown, as pessoas ficam em casa muito mais do que o normal e as estimativas de tempo em frente a tela do computador ou celular aumentaram para mais de 13 horas por dia em comparação com as 10 horas por dia do ano passado. 

Além disso, existe o fato de que as pessoas estão sendo mais cuidadosas com seu dinheiro devido as incertezas do mercado de trabalho. É menos “vender, vender, vender” e mais “avançar!” com pitadas de entretenimento e humor.

Ao criar o conteúdo de vídeo, você precisa considerar o valor do entretenimento tanto quanto considera a mensagem. Tudo deve ser diversão que faz as pessoas rirem, mas se elas não sabem o que você está realmente vendendo, pode se transformar num grande silêncio. 

3 – Animação em Computação Gráfica

Você pode criar um conteúdo incrível e um mundo personalizado para sua marca.

Com o avanço da tecnologia, é mais fácil e barato produzir animação em Computação Gráfica com ótimo padrão e mais rápido também. Uma pessoa pode criar uma peça incrível de 30 segundos em sete dias e isso pode ser feito de qualquer lugar. Para muitas marcas, a animação em Computação Gráfica tem sido a linha de vida do conteúdo durante um lockdown.

 

4 – Vídeos não tão perfeitos

Anteriormente, o conteúdo se esforçava para parecer o mais polido e suave possível. Essa tendência atual, no entanto, mostra o oposto, onde os cineastas optam por operar a câmera com as mãos em vez de fixá-la em um carrinho ou tripé. Mas, por quê? Isso faz seu conteúdo parecer mais autêntico e o público quer essa autenticidade.

Essa tendência não se aplica apenas ao vídeo, mas também à fotografia e ao conteúdo ao vivo. Especialmente durante o lockdown, as marcas não tinham acesso a estúdios e equipes de produção brilhantes e, portanto, o conteúdo, por natureza, tornou-se mais caseiro.

5 – Marcas no TikTok e Reels

Como o TikTok e o Reels possuem todos os recursos de edição, eles tornam a criação de conteúdo mais acessível. Com essas plataformas, ninguém precisa ter uma câmera sofisticada ou um storyboard para fazer um ótimo conteúdo – na verdade, é melhor se não tiver. Todo o equipamento que você precisa está na sua mão.

Para aqueles que têm dificuldade em ter ideias, existem “desafios” regulares que atuam como modelos para os criadores de marcas criarem algo curto, rápido, divertido e popular naquele momento. Durante o lockdown, o TikTok se tornou uma sensação ainda maior, dando às pessoas do mundo todo a possibilidade de aproveitarem seu tempo extra, e para as marcas divulgarem seus produtos de uma maneira divertida.

6 – Plataformas de conteúdo editorial

Com a volta dos conteúdos de formatos longos, as marcas estão construindo suas próprias plataformas de conteúdo editorial – criando séries de conteúdo em vídeos, podcasts e até impressos para contar histórias que vão mais fundo e realmente ressoam com seu público.

Nos últimos seis meses, essas plataformas de conteúdo entraram em ação para criar conteúdo relacionado ao lockdown e afastar os buscadores de entretenimento dos canais de mídia social de propriedade de Zuckerberg para plataformas que eles, as marcas, podem controlar.

7 – Comunidades de marca

Da mesma forma, as marcas começaram a criar suas próprias comunidades para as pessoas conversarem e compartilharem conteúdo em ambientes digitais mais próximos.

Muitas dessas comunidades nasceram no início do lockdown, com o objetivo de oferecer apoio e dar às pessoas um espaço para expor suas preocupações com outras pessoas que estavam na mesma situação que elas. À medida que a mídia social orgânica se torna menos eficaz como era nos velhos tempos, uma mudança para condomínios fechados provavelmente está para acontecer. Com canais como Slack e Circle, o futuro pode ser favorável aos usuários que criam sua própria versão personalizada da Internet, com um conjunto de comunidades centradas em seus interesses.

8 – Webinars

No espaço de alguns meses, tornou-se normal ver empresários falando diante das câmeras em sua sala de estar, com seus filhos ao fundo fazendo uma nave espacial para o gato com um cesto de roupa suja. Onde os eventos antes ocupavam o centro do palco, os webinars se tornaram um pilar para (especialmente) empresas B2B durante o lockdown.

Por um lado, os webinars tornaram-se algo para fazer. As pessoas estavam em casa, algumas tinham licença e, para muitas pessoas, aquela folga foi uma oportunidade de aprender novas habilidades e ouvir as histórias de outras pessoas de uma forma que talvez não seriam capazes de fazer em outro momento.

Descobriram que as transmissões orgânicas ao vivo do Linkedin têm em média quase o mesmo número de exibições de vídeo (85%) em comparação com outros conteúdos de vídeo que colocamos em gastos com publicidade, o que mostra que as transmissões ao vivo têm muito potencial.

 

9 – Marcas integradas ao ativismo

Um estudo recente mostrou que 64% dos consumidores disseram que apoiariam ou boicotariam uma marca com base em sua posição em uma questão social ou política. A velha regra de “as marcas não devem ser políticas” não é mais relevante, pois o público está de olho em quem apoia o que é importante para eles e, por sua vez, quais empresas apoiarão no futuro.

* Ei, só para esclarecer uma coisa – não vemos o ativismo como uma “tendência de conteúdo” ou uma “moda passageira”. É uma mudança muito real (e bem-vinda) no comportamento social, político e de marca que acaba sendo comunicada, no momento, por meio do conteúdo. Está nesta lista porque ficou mais visível para as marcas nos últimos 6 meses do que nos anos anteriores.

10 – Carrosséis Informativos

Reintroduzido pela primeira vez por ativistas do movimento Black Lives Matter, vimos um grande aumento no número de carrosséis do Instagram, repletos de informações sobre tudo, desde “como ser um melhor aliado” a “recursos de design interessantes”.

O que é ótimo sobre este formato é que ele é uma maneira realmente envolvente de colocar muitas palavras em seu conteúdo (redatores felizes 🎉). Além do mais, as marcas adotaram tendências de design recentes, usando cores brilhantes, fontes retrô e texturas granuladas para fazer seu conteúdo se destacar no feed e atrair seu público para informações que podem realmente fazer a diferença (ou pelo menos, fazê-los dizer “ah, eu não sabia disso”).

Para os gerentes de mídia social, a grande vantagem dos carrosséis informativos é que, embora levem algum tempo para pesquisar, eles são bastante simples de criar do ponto de vista do design. Com as restrições do lockdown, era uma parte do conteúdo que os criadores de marcas podiam reunir usando apenas as ferramentas em seus desktops.

11 – Conteúdo gerado pelo usuário

Falamos sobre autenticidade – o que poderia ser mais autêntico do que seus clientes compartilhando seu próprio conteúdo sobre sua marca? O conteúdo gerado pelo usuário é essencialmente um testemunho visual e compartilhar esse conteúdo é uma maneira infalível de construir relacionamentos com seu público atual e atrair um novo.

 

Como podemos te ajudar?

Se você está tendo dificuldades com seus conteúdos no momento, a resposta não é experimentar todas essas tendências. A melhor solução começa com a estratégia – avaliar o momento da sua marca para dar o próximo passo bem colocado (mesmo que as coisas ainda pareçam um pouco incertas). Com um bom planejamento, equipes de construção de marca e criação de conteúdo prontas, adoraríamos ajudá-lo a alcançar melhores resultados.